Arquivo da tag: amor

It’s a Match! Jovens e o jogo do flerte digital

Tinder

Casal que se conheceu no Tinder fez tatuagem com o símbolo do aplicativo. Reprodução/Instagram/luh_jahnke

Nosso grupo de estudos Sociotramas volta das férias! O texto é meu, sobre a intensa relação entre games e os sites e aplicativos de flerte e namoro, também chamada “gamificação”, especialmente entre os jovens. O artigo de 18 páginas em que este post foi baseado será publicado no próximo livro de nosso grupo de estudos.

Leia o texto aqui, no blog do Sociotramas.

Laços digitais e nossa pele de metal

lacosdigitais1

Muitos meses passaram, eu sei. Como a questão dos laços sociais e também afetivos me fascina muitíssimo no contexto digital, continuo no tema — particularmente, laços afetivos em ambiente online.

Por uma lógica simples, creio razoável assumir que “laços afetivos digitais” subentendem “laços sociais digitais”. Ou seja, estes últimos são pré-condição para a eventual ocorrência de laços afetivos em contexto digital. Aqui, considero “laços afetivos” os laços que caracterizam o envolvimento amoroso/romântico/sexual de um casal (tipicamente, mas de forma alguma unicamente, homem e mulher). Falo sobre laços sociais em minha dissertação (pág. 16, por exemplo) extensamente, mas seu bom senso deve bastar para acompanhar este texto.

Rebelde por excelência, a Internet e seus atributos — especialmente, seus desdobramentos sociais a partir de atividades hacker — já foram comparados ao terrorismo por Galloway (em inglês, pág. 151, por exemplo). Alguns se assustam com a comparação. Eu? Acho o máximo. Antes de tudo, porque é uma analogia que procede, é precisa, faz sentido. Depois, por haver na correlação um caráter metalinguístico muito discreto e interessante: Galloway ousa dizer o que as pessoas em geral, por estarem entorpecidas de uma lógica excessivamente politicamente correta, são incapazes de enxergar com clareza. E é essa mesma ousadia, rebeldia, o constante desafio dos limites que a própria internet (e os hackers, seu melhor exemplo neste particular) e os espaços sociais digitais têm em comum  com grupos terroristas. Se as motivações são boas, ruins, políticas, religiosas, financeiras… Não interessa para uma discussão unicamente científica.

Retomo os laços afetivos em contexto digital. É, não resisto a eles.

Duas manifestações marcadamente ousadas e socialmente relevantes ganharam destaque nas últimas semanas neste âmbito digital de laços afetivos (e, como já disse, sociais, portanto): uma é o serviço do site “Namoro Fake“, que permite aos internautas/indivíduos contratar uma “namorada falsa” — não achei referência a contratar namorado. O serviço cria, para seu cliente, uma namorada falsa no Facebook. Essa construção digital fará comentários e curtirá os posts do “namorado”, de maneira que seus amigos pensarão que ele tem, de fato, uma companheira. Este simples foco em prover a possibilidade de homens “ganharem moral junto às mulheres”, como o próprio site informa, mas sem o serviço (aparentemente e por agora) para uma mulher contratar um namorado falso já nos diz algumas coisas interessantes.

O próprio site informa: “estamos contratando perfis de mulheres para se passarem por namorada fake (…)”. Ênfase em contratar perfis de mulheres! Significa, possivelmente, que um homem que crie perfis falsos de mulheres talvez possa trabalhar com eles. Céus… Ah! Dentre os requisitos básicos, “ser uma mulher apresentável” — ênfase para apresentável, claro.

Dito isso, o que mais quero destacar aqui é, tão somente, o caráter ousado, rebelde, criativo, inovador e socialmente e romanticamente modificador desta iniciativa em contexto digital. Deixo algumas perguntas e provocações:

Como chegamos a isso? Precisamos disso? Se sim, por que precisamos disso? Será que é um negócio viável? Quantos homens já contrataram este serviço? Haverá mercado para as mulheres contratarem namorados falsos?

A segunda manifestação potencialmente “perturbadora” (em vários níveis) a respeito de laços sociais e afetivos é o “Darwin Dating“, site de namoro voltado para “pessoas bonitas” (novamente, o elemento do “apresentável”, o atributo estético — dá-lhe tecnocracia da sensualidade!). Apenas para registro, o Darwin Dating não é exatamente uma novidade: neste nicho, o “Beautiful People” surgiu bem antes (de acordo com o site, em 2001); e ainda há outros.

O que distingue o Darwin Dating é a linguagem nitidamente rude, grosseira e talvez cruel e humilhante que o site usa para estabelecer critérios estéticos. Exemplo logo na homepage do site: “Darwin Dating — Namoro online subtraído de pessoas feias” (tradução minha). Mas, pode-se argumentar, é também por meio dessa linguagem agressiva, ousada e rebelde, desafiadora de limites (do que seria politicamente correto, tipicamente cordial), que o Darwin Dating exerce, exatamente, sua digital liberdade para arbitrar sobre o que bem quer em seu espaço social. Doa a quem doer.

Talvez uma mensagem por trás de tudo isso seja: para sobreviver à era digital (com os nervos e emoções em bom estado), o ser humano precisa, contraditoriamente, ser menos sensível. Tolerar, suportar mais do que antes. Ser, em algum nível, mais forte; mais máquina. Se isso é necessariamente apenas bom ou ruim… Logging out.

Supermercados de gente

Escrevi “Supermercados de gente“, um elaborado post para o blog do grupo de estudos Sociotramas (PUC/TIDD), do qual sou integrante.

Amor líquido, sites de namoro, fragilidade de laços, Scarlett O’Hara e mais.

Respire fundo e abra sua mente. :- )

Ruídos digitais

Quando conhecemos uma pessoa, desde a estaca zero, a partir da Web, temos uma situação completamente diferente do processo mais tradicional — ou seja, presencial desde o início.

Aproximar-se digitalmente de alguém implica, por definição, a ausência de uma série de informações a que estamos não apenas culturalmente habituados, mas, também, biologicamente pré-programados para apreciar — tais como cheiros e uma infinidade de dicas visuais. Também por conta dessa limitação, existem muitos ruídos possíveis ao longo do processo de conhecer alguém puramente a partir da Web, até um encontro presencial. Esses podem ser divididos em dois tipos: 1) ruídos intencionais. Tais atitudes maliciosas consistem na divulgação de fotos e dados — como altura e formação acadêmica — deliberadamente falsos. E 2) ruídos acidentais, que se relacionam, em menor nível, a erros de digitação; e, de maneira mais importante, a equívocos de autoimagem. Estes levam uma pessoa, por exemplo, a escolher palavras inadequadas, a “vender-se” e a representar-se de maneira inferior, superior ou, tão somente, diferente do que ela é, de fato. E por “é, de fato”, quero dizer como ela é vista, aproximadamente, pela maioria dos observadores.